quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Sopro de bolas de sabão...




No vasto Universo em que navegamos desde o sopro da Criação diverte-se agora a minha Alma com bolas de sabão. 

E neste contexto Humano em que no momento habito percorro o tempo ilusório adaptando-me à realidade não existencial.

Procuro a criança em mim que à uma eternidade que não a sinto, com vestes e mais vestes vou actuando sem recordar a leveza e a libertação de ser menina. 

As raízes de tristeza e sofrimento de outrora acompanham-me no único percurso real onde vou experenciando a dualidade.




Já não sabendo o que é ser feliz com os entretenimentos humanos limito-me a uma existência solitária em que o caminho só pode ser um, a união com o Todo. 

A compreensão do verdadeiro Amor, livre de qualquer tipo de apego, livre de qualquer pensamento mundano, livre das fraquezas próprias da nossa raça, chegarei sem corpo e sem teias... Das correntes me libertarei com a leveza do significado de quem somos e para onde vamos. 

O objectivo será alcançado e flutuarei na imensidão de lençóis vibracionais tão sublimes e celestes que habitam a eternidade.