quinta-feira, 22 de outubro de 2015

A resposta em Amor num caso aparentemente desconcertante




No início deste ano o meu filho com 12 anos foi seguido e abordado por um jovem na vertente de pedofilia, não chegando a existir o acto em si mas ouve toque e o levantar de conversas que uma criança de 12 anos, aparentemente não conhece na sua realidade… Quando uma situação destas acontece no nosso seio familiar e queremos resolvê-la em Amor não culpando o outro, não querendo atacá-lo por ter sido abusivo com um inocente, que neste caso é nosso filho e ter especial cuidado para não criar na cabeça desta criança o sentimento de que foi uma vítima, torna-se a questão primordial que vai ditar o sucesso de todo o processo.